2009-09-02

O preço dos manuais escolares



E se no mundo ideológico, os alunos pudessem usar os manuais escolares sob a forma de empréstimo, tendo apenas que os devolver no final do ano lectivo em bom estado, quanto é que o bolso das famílias e o ambiente poupariam?
E onde colocaríamos a diminuição dos lucros das editoras?
Por um lado todos temos consciência do dever e da obrigação de pouparmos, de reciclarmos, de adoptarmos comportamentos e atitudes sustentáveis. Por outro lado há o incentivo ao desperdício. Nos mass media não faltam as campanhas publicitárias, incentivando ao consumo. Mais...mais...e cada vez mais! Um verdadeiro contra-senso entre a teoria e a prática. E as crianças crescem a observar os adultos. Elas, que sabem como ninguém onde estará a fronteira entre estes dois mundos. Crianças que crescem, por certo, bastante confusas!

2009-08-31

Ontem vi "The Fall"



Um filme dentro de outro filme. Um filme cujos protagonistas principais se encontram por mero acaso dentro de um hospital. Ele acamado após uma queda e com tentativas de suicídio. Ela, uma menina inteligente, curiosa, com a vivacidade própria da idade que tem, com um braço engessado, após uma queda enquanto apanhava laranjas.
Ele revela-se um contador de histórias para a criança, a troco de comprimidos (de morfina) que ele, no fundo, exigia à menina que fosse buscar se ela quisesse ouvir o final da história. Enquanto tentava agarrar um frasco de comprimidos, às escondidas, que se encontrava num sítio mais alto da prateleira, a menina sofre uma segunda queda e magoa-se na cabeça.
Agora é ela que está acamada e recebe as visitas dele. A menina pede-lhe insistentemente que termine a história que ele lhe estava a contar. Mas o desenrolar desta, assume contornos dramáticos e às tantas a menina pergunta-lhe porque está a matar todos os intervenientes da história, inclusivamente a ele, que também lá entra. A menina, cujas lágrimas não consegue controlar, pedia-lhe que não queria que ele morresse. Ele com os olhos cheios de lágrimas, insistia que o final da história teria de ser a morte de todos. No fundo esta história acaba por ser o reflexo do seu estado de espírito. Ele encontrava-se no fundo do poço e queria suicidar-se.
A menina interpela-o e diz-lhe: "- não deixes que ele morra, eu não quero que ele morra. Ele tem de ir ter com a sua filha". E ele diz-lhe em tom de desespero: "mas eu não tenho filhos e nem sequer sou teu pai". "- mas eu amo-te"- diz-lhe a menina. A partir deste momento viver para ele, fez todo o sentido.
No fundo todos nós desejamos ser importantes e amados por alguém, para que a vida, a nossa vida faça todo o sentido.