2013-04-05

Ritmos portugueses que gosto de ouvir, mas gosto ainda mais de os dançar ahahahah! Esperem pelo momento 1:33...

2013-04-04

Já vos disse que adoro este blog?

Uma perspetiva muito profunda que me preenche, que chega até a arrepiar-me e que também me consola em dias menos bons. Grande sensibilidade e inteligência perante as coisas simples da vida.
Identifico-me muito com todos estes textos.

«Toda a criança devia ter direito ao sossego e ao silêncio, a não ser asfixiada, bombardeada, entupida. Toda a criança devia ter direito a não ver satisfeitas necessidades que nunca manifestou. Que linda, que gira, queres colinho, anda que te dou uma coisa bonita, anda, anda, anda! Que linda!  Toda a criança devia ter direito a não ser tratada como um macaquinho amestrado. Olha, dança para as senhoras verem que tu danças tão bem, dança, olha como a mamã faz, faz igual, dança, dança para as senhoras verem. Toda a criança devia ter direito a tempo para pensar, para responder, para afirmar e para negar. Diz olá, diz olá aos senhores, diz olá, diz! Olha o senhor a dizer-te olá, diz olá também! Olá, olá! Toda a criança devia ter direito a não comer bolachas e a não receber um presente por cada gracinha. Queres uma bolachinha? Queres uma bolachinha? Toma uma bolachinha, toma uma bolachinha, anda cá comer uma bolachinha. Come a bolachinha, vá, meu amor! Bolachinha booaaaaa! Toda a criança devia ter direito a preservar a sua natureza essencial, simples e pouco exigente. Dá tanto trabalho, tanto trabalho a minha menina... Mas é linda! E toda a criança devia ter direito, sem punição, a fazer uma birra de atirar as paredes abaixo e largar a correr quando lhe hipotecam a alma a pretexto do amor e da educação. Toda a criança devia ter direito a ser mais, muito, muito mais, do que o mero orgulho dos seus papás por se cumprir conforme sonharam. É uma alegria que compensa tudo!»
 
Diretamente daqui.