2011-04-29

longa vida ao Rei, ou neste caso, aos príncipes

Vinicius de Moraes disse uma frase, mais ou menos deste género, não consigo precisar bem ao certo as palavras exactas: "para estar apaixonado, basta estar distraído".

lindos... adorei o vestido, em particular o decote em renda.

(não gosto de vestidos de noiva em cai-cai, cujas noivas mais parecem umas "escroques". desculpem, não quero ofender ninguém. gosto deles assim. tal e qual este. simples, lindo e sensual. muito bom gosto.)

2011-04-27

andorinhas. tão giras e tão teimosas.

estou em guerra com as andorinhas. é oficial. em guerra, como quem diz, na minha casa não permito construção de anexos junto ao telhado. ficamos entendidas. ou melhor, não ficamos. elas insistem em construir a casa dos sonhos delas, para constituir família e passarem o Verão. e eu digo-lhes que não, que não pode ser. - ó prá direita e prá esquerda e pra cima e pra baixo sítios bem mais giros que a minha casa para vocês fazerem o vosso ninho do amor! humm, que tal mudarem de planos?! eu até gosto de vocês. juro que gosto. mas quando se trata de assuntos sérios não há cá gostar, nem meio gostar. não pode ser e pronto. lamento.

2011-04-26

o voto útil

o grande problema do voto em branco e do voto nulo é que dão a vitória, de mão beijada, novamente aos socialistas. não tenhamos ilusões. votar em branco, nestas eleições, é colocar o engenheiro Sócrates, novamente, à frente do destino de Portugal.
tal como diz o general Ramalho Eanes: -"não podemos diabolizar o primeiro ministro". sinceramente, eu também concordo que José Sócrates fez reformas importantes que o país precisava há décadas, nomeadamente ao nível da educação e das energias renováveis. não me parece honesto, no entanto, alguns erros graves cometidos, ultimamente, por este governo, que põem em causa a sustentabilidade económico-financeira de Portugal, bem como a tão aclamada democracia conquistada há 37 anos atrás.
sinceramente, acho que a figura de José Sócrates está muito desgastada. sinceramente, fazia-nos bem a todos que ele se olhasse ao espelho e fizesse como o seu homólogo espanhol, e não se recandidatasse. sinceramente, acho que precisamos de uma lufada de ar fresco na política. já chega. basta.